sexta-feira, 20 de outubro de 2017

É sempre tempo de mudar, mas não muda, por Joyce Gomes


É sempre tempo de mudar, mas não muda. 

É comércio que trata mal o cliente. É amigo que constrange outra pessoa diante do público. É alguém que denigre a imagem do outro, sendo que sequer o conhece. É um bando de gente achando que é o melhor do que os outros. É alguém que acha que precisa passar por cima de pessoas que querem ajudar. É alguém que julga outro individuo sem ao menos conhecer. É o descaso e a falta de respeito ao colega, tomando conta da sociedade como um todo. 

Aonde estão todos? Por que todos aceitam tudo facilmente? Por que todos, ao invés de conversar, já atiram muitas pedras em cima? E por que a gente se sente tão infeliz diante disso tudo? 

É sempre tempo de mudar, mas não muda. 

É o pai e a mãe ausentando-se da vida de seus filhos. É uma criança chorando porque a sua mãe se foi e ela não pode fazer nada voltar no tempo. É outra criança que sofre caladamente com um tiro nas costas, sem ao menos ter tempo de fugir ou se defender. É o amor incondicional que acaba se tornando frustrado porque nunca vem. 

Onde estão todos que não enxergam os apelos dos amigos? E dos colegas? Onde estão todos que diminuem uma pessoa só por causa de um mal entendido? 

Quem julga? Você? Eu? A criança? Todos! 

É sempre tempo de mudar, mas ninguém muda. 

Ninguém muda porque não quer mudar. E eu sinto, sinto muito pela criança que precisa viver longe da sua amada mãe. Pela criança que morreu baleada numa rua qualquer por causa da ganância humana. E pelos pais que se ausentam da vida de seus filhos porque precisam trabalhar. E eu sinto muito pela mesma ganância de pessoas que sequer respeitam os seus clientes, os seus amigos e os seus familiares. 

Sinto muito pela ganância humana achando que deva copiar a receita de outra pessoa, crendo que tudo dará certo igualmente. E até mesmo pela ganância da idolatração em demasia desnecessária porque deixa de repeitar o seu próprio caráter em prol de algo que não é seu. 

Onde estão todos que não observam o mal que fazem ao próximo? 

É sempre tempo de mudar, mas não muda! 

Eu não mudo, você não muda, o sistema não muda, a criança não vive, a outra sobrevive, as pessoas diminuem outras, julgam mal sem ao menos saber por quê... 

Não há tempo para mudanças, muito menos para reflexões e tão pouco para sentir na pele aquilo que o outro sentiu! 

É tão mais fácil manter como tudo está!


Joyce Gomes
14/05/2013

---
Joyce Cristina Leme Gomes
Professora da Rede de Ensino de Poá, Graduada em Letras (UBC) e em Comunicação Social com habilitação em Publicidade e Propaganda (UMC). Conquista da Menção Honrosa e de Prêmios com o grupo Vibe Comunicação na UMC: Relatório Acadêmico "Do Fusca ao New Beetle: Trajetória de Campanhas (Menção Honrosa - 2009)"; Painel, Relatório e Campanha Alternativa "Marketing Esportivo no Futebol" (Prêmio Excelência - 2010); Painel e Campanha Publicitária "Associação Cultural Opereta" (Prêmio Excelência - 2011). Participou do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC/UMC) com a pesquisa "Trajetória de campanhas do Fusca e o seu impacto sobre o consumidor" (2010/2011). Foi voluntária, de 2011 a 2013, como Secretária na Diretoria Executiva, bem como na Comunicação da Instituição Cultural Sem Fins Lucrativos Associação Cultural Opereta. Conquista do Prêmio (2011) e da Menção Honrosa (2012) no 7º e 8º Prêmio Mogi News/ Chevrolet de Responsabilidade Social com o Projeto "Passos da Paixão", da Associação Cultural Opereta. Recebeu convite e teve 10 poemas publicados na coletânea “Palavra é Arte”, da Cultura Editorial (2014). Atualmente desenvolve os blogs Anderson BorgesBalcão da ArteGuitarra Flutuante e Joyce Gomes: Professora e Publicitária.

---
Balcão da Arte 
E-mail: balcaoarte@gmail.com / Facebook: Balcão da Arte / Comunidade no Facebook:  Balcão da Arte / Google Plus: Balcão da Arte / Comunidade no Google Plus: Balcão da Arte / Twitter: @balcaodarte / Instangram: balcaodarte

Nenhum comentário:

Postar um comentário