sexta-feira, 19 de abril de 2013

Agenda Cultural: Apresentação da peça "Um dia ouvi a lua", em Mogi das Cruzes




Um Dia Ouvi a Lua - Montagem

A montagem de Um Dia Ouvi a Lua propõe a coesão entre as raízes culturais, fruto das experiências vividas pelo grupo e a pesquisa na dramaticidade da linguagem e composição para construção dessa obra teatral. A linguagem utilizada é fruto de uma pesquisa que o grupo realiza desde 2000: o teatro Narrativo/Lírico, Teatro Nô japonês e a linguagem popular brasileira. O espetáculo é resultado de processo colaborativo entre dramaturgia, direção e criação de atores. As histórias são contadas e vivenciadas ora por atores/narradores, ora por personagens/narradores. As canções que inspiraram as narrativas do espetáculo, também são interpretadas ao vivo pelos próprios atores. Os fios que tecem as histórias, de dramas e conflitos, são regidos por brincadeiras de crianças que fazem parte da cultura identitária brasileira, principalmente envolta ao universo caipira do Vale do Paraíba. A simplicidade poética proposta na dramaturgia e na direção valorizou a performance dos atores e criou uma dialética entre narrativas e cenas, o que tornou o espetáculo uma partitura musical. As canções populares da região, e os diversos ritmos presente em festas tradicionais, como a Folia de Reis, foram reveladas e trabalhados na direção musical e nos arranjos desenvolvidos para o espetáculo. Os figurinos e adereços foram criados a partir de referências da cultura caipira do Vale do Paraíba, como as tradicionais figureiras da região. Já para a concepção de cenário a busca pela organicidade e pela originalidade se deu através do aproveitamento de elementos da cidade, como bambus, cipós e folhas secas de palmeiras exóticas, da espécie Latania, presente em diversos pontos públicos da região e o grande paisagem natural presente no Vale do Paraíba.



O feminino de Tonico e Tinoco

Obra inédita de Luís Alberto de Abreu recria visão feminina de narrativas machistas de três canções gravadas pela dupla caipira.


As canções Adeus, Morena, Adeus (Piraci/Luiz Alex) Cabocla Tereza (João Pacífico/Raul Torres) e Rio Pequeno (Tonico/João Merlini), gravadas pela famosa dupla caipira Tonico & Tinoco, foram inspiração para o espetáculo Um Dia Ouvi a Lua, de Luís Alberto de Abreu, e revelam três diferentes mulheres que invertem os valores machistas das narrativas dessas três composições, conhecidas do cancioneiro popular brasileiro, recriando-as do ponto de vista feminino.

O espetáculo dirigido por Eduardo Moreira, do grupo mineiro Galpão, com texto inédito do consagrado dramaturgo Luís Alberto de Abreu que, entre outros trabalhos, foi o autor do roteiro adaptado da minissérie “Hoje é Dia de Maria”, será apresentado no próximo dia 20 de abril, sábado, 20h, no Galpão Arthur Netto.

A canção, “Adeus, Morena, Adeus” destaca, na versão de Abreu, Beatriz e não o violeiro que prefere seguir uma vida errante à casar-se. Abandonada por ele na estação de trem, a personagem, volta todos os dias, à mesma estação, agora desativada, para contar a versão de sua história e a esperança de reencontrar o seu grande amor.

Em “Cabocla Tereza” a famosa história dessa canção popular ganha a voz da própria Tereza que, embora já morta volta para esclarecer o seu trágico fim, ao abandonar o marido e seu matador, agora transformado em penitente.

A canção “Rio Pequeno” apresenta S’a Maria que, apaixonada pelo caboclo Cipriano, abandona seu pai e foge com ele para o Mato Grosso. No caminho, observa a violência do amado com seu cavalo e decide voltar, mas Cipriano a reconquista não pela força, mas por deixar escapar sua fragilidade.

Produzido pela Cia Teatro da Cidade, de São José dos Campos, em comemoração aos seus 20 anos de existência, o espetáculo conta ainda com o trabalho do premiado Leopoldo Pacheco, que é quem assina, juntamente com a artista plástica Ana Maria Bomfin Pitiu, os figurinos e cenografia, do músico e compositor Beto Quadros, para a direção musical e de Claudio Mendel, na iluminação e codireção. A montagem conquistou o Prêmio Cooperativa Paulista de Teatro (CPT) 2010 de Melhor Espetáculo do Interior de São Paulo.



Ficha Técnica

Texto: Luís Alberto de Abreu
Direção Geral: Eduardo Moreira
Co-direção: Claudio Mendel
Cenários e Figurinos: Leopoldo Pacheco
Direção Musical: Beto Quadros
Arranjos Musicais: Beto Quadros e Ernani Maletta
Iluminação: Claudio Mendel
Produção: Vander Palma
Produção Executiva: Carla Maciel
Assistente de Produção: Renata Siqueira
Assessoria de Imprensa: Carla Maciel
Fotografia: Tito Oliveira
Assessoria de Imprensa: Andréia Barros e Carla Maciel
Cenários e Figurinos: Leopoldo Pacheco e Ana Maria Bomfin Pitiu
Maquiagem e cabelos: Leopoldo Pacheco



Serviço

O que: Um Dia Ouvi a Lua (espetáculo teatral)
Autor: Luís Alberto de Abreu
Quem: Cia de Teatro da Cidade (SJC)
Gênero: Comédia dramática
Sinopse: A inspiração para a criação do espetáculo “Um Dia Ouvi a Lua” foram as canções “Adeus, Morena, Adeus” (Piraci/Luiz Alex) ; “Cabocla Tereza” (João Pacífico/Raul Torres e “Rio Pequeno” (Tonico/João Merlini) que narram histórias de amor sob o olhar masculino. E para esta montagem o dramaturgo Luís Alberto de Abreu trouxe esses dramas e conflitos, sob o olhar feminino, a partir das personagens que viveram estas histórias.
Onde: Galpão Arthur Netto - Avenida Fausta Duarte de Araújo, 23 – Jd. Santista – Mogi das Cruzes (próximo ao Hospital Ipiranga)
Quando: 20 de abril, sábado, 20h.
Quanto: Gratuito (distribuição de ingressos a partir das 18h, 01 ingresso por pessoa)
Orientação etária: 12 anos

Duração: 70 minutos
Capacidade: 70 lugares.
Contato: (11) 3433 9841 ou galpaoarthurnetto@uol.com.br

---
Balcão da Arte 
E-mail: balcaoarte@gmail.com 
Facebook: Balcão da Arte
Google Plus: Balcão da Arte
Twitter: @balcaodarte

Nenhum comentário:

Postar um comentário