sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Pelé eterno me trouxe a infância de volta, por Arnaldo Jabor


"(...) Ontem, fui ver o extraordinário filme de Anibal Massaini - Pelé Eterno - e senti a mesma coisa de infância, ao lado de meu avô, no Maracanã: esqueci-me de mim. Estava de novo diante da beleza que vi em Zizinho. Não estava assistindo a um jogador apenas. A sensação é o mesmo êxtase de se ver uma exposição de Picasso ou, sei lá, uma peça de Shakespeare. Pelé não era apenas um atleta, é um escultor do ar, um grande poeta de gestos e músculos. Ele não busca só o gol, busca a felicidade da beleza. Ele viveu a vitória total e consola milhões de fracassados como eu, de quem tiraram a camisa verde e rubra do Ipiranga em minha trêmula infância de praia."

JABOR, Arnaldo. Amor é prosa sexo é poesia: Crônicas afetivas. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.


---
Balcão da Arte 
Contato: balcaoarte@gmail.com 
Facebook: Balcão da Arte
Google Plus: Balcão da Arte

Nenhum comentário:

Postar um comentário